ESTRANHAMENTO

estranhamento

Paulo Zifum

              A sensação de estranhamento é, talvez a primeira experiência forte que sentimos na vida. Nascemos da água para o ar, e, depois disso, uma série de mudanças ocorrem, quase todas com um certo transe de estranhamento. Na adolescência acontece todo tipo: com o corpo, com o cabelo, com os pais, com os amigos e com o mundo inteiro. No casamento  estranhamos o cônjuge diversas vezes. Amizades criam espinhos. O local de trabalho torna-se Sheol. Estranhamos as pessoas diferentes e seus costumes.
             Somos como formigas numa trilha. Se cair uma folha no caminho, perdemos a direção. A folha da mudança do horário faz gente passar o ano inteiro em zigue-zague. A folha de uma opinião contrária, a folha de uma crítica causa em alguns um verdadeiro desespero. A folha da perda, folhas de tamanhos diferentes, fazem as formiguinhas pirarem. Estranhamos quando os móveis da vida mudam de lugar. Muitos detestam mudanças ou perda de controle.
             Estranhamos, não apenas o mundo externo, mas a nós mesmos. Alguns ignoram alterações importantes numa negação infantil, mas, seria melhor dialogar esse “outro” no espelho. A frase “até eu me estranhei” é teatral, mas, quem é que nunca atuou numa peça bizarra? Eu mesmo não acreditei no que fiz depois de uma tentativa de assalto, quando me vi gritando histérico (neurose caracterizada por perturbações passageiras da inteligência, da sensibilidade e do movimento) no meio da rua, tentando pegar o bandido. Algumas “cacas” que fazemos nos causam estranheza por toda a vida,  em contrapartida, algumas loucuras podem ter sido a melhor coisa que fizemos na vida.
            A amizade pode nunca mais ser a mesma depois de algumas decepções. Tudo fica estranho e desconfiado. As pessoas são injustas e estranham por puro preconceito, mas muitas vezes com razão, dependendo tamanho do nosso egoísmo. 
             Sentir-se estranho, ter vontade de fazer algo estranho, de abandonar tudo, de chutar “o pau da barraca” e deixar tudo cair na cabeça de todo mundo ou apenas se recolher em posição fetal e sentir dó de si até chegar o resgate, é coisa humana. Estranhar e ser estranho faz parte da vida dos terrosos, da relação pais e filhos,  das amizade e dos confrontos de tese e antítese. Quem não estranha nada já chegou no “nível hard” do Apóstolo Paulo que disse ter aprendido a “viver contente em toda e qualquer situação” de saber “estar humilhado ou exaltado”.  Mas, a maioria das formiguinhas, ainda não chegaram nesse nível e ficam muito perturbadas com coisinhas pequenas como um desafeto e paralisam na dificuldade de perdoar ofensas.
            A Bíblia conta a história de muitos estranhamentos. Depois da queda do Éden, tudo ficou sinistro. O pecado causou tanto estrago que o homem passou a ver a seu próximo como uma ameaça e nossos caminhos tornaram-se opostos aos caminhos de Deus. Noé foi i único de sua época que não se estranhou com Deus. No incidente da Torre de Babel Deus criou as “línguas estranhas” e ninguém mais se entendeu. As narrativas bíblicas nos revelam o estranhamento histórico da humanidade. O Evangelho de João nos diz que Deus enviou seu Filho Jesus ao mundo, mas o mundo o estranhou e rejeitou. Os judeus escolheram Barrabás em vez de reconhecerem o Rei dos reis. E a profecia dizia que Jesus se faria maldição estranha em nosso lugar, para que, aqueles que cressem nele fossem feitos filhos de Deus e não mais estranhos à aliança.
             Um dia, não  seremos mais como meninos agitados por todo vento e toda folha de palavras, mas seremos maduros a ponto de não estranhar nada nem se escandalizar com nada.  Pelo Espírito Santo seremos transformados na imagem do Filho de Deus, e, enfim alcançar a estabilidade para dizer: “nada estranho naquele que me fortalece”. 
Anúncios

Um comentário sobre “ESTRANHAMENTO

  1. Nossa como sou estranha!!

    Seria tão mais fácil de admitissimos nossas fraquezas, ao invés de mentirmos sobre nossas capacidades de lidar com tudo sem sermos abalados pelas folhas.

    A cada dia aprendo que sou tão estranha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s