ERRO DE NAAMÃ parte 2

Paulo Zifum

Em II Reis 5, confirmamos que o ser humano, na busca de solução para o seu problema, ainda tropeça em seu orgulho. Esse orgulho multiplica partidos, ideologias e guerras. A humanidade tem um tipo de “lepra” que a faz preferir ser destruída a ser transformada. O erro de Naamã é clássico. A situação pedia humildade. Quando Eliseu tratou o distinto general de modo comum (aparentemente com desprezo), surgiu um conflito de relacionamento porque Naamã vivia baseado no mérito. Tudo fica tenso, no mundo todo, quando sentimos nosso valor reduzido a  um número, protocolo ou uma obrigação social. E, embora, o conflito de Naamã tenha sido com o profeta Eliseu (horizontal), a expectativa humana acaba sempre na última instância (vertical), a saber: Deus. Podemos, no planeta inteiro, ouvir um ruído de criaturas zangadas murmurando assim: “Deus, eu pensei que viria e colocaria a mão sobre minha cabeça e resolveria o meu problema”. Há uma decepção no ar. Cometemos o mesmo erro de Naamã em nossa relação com as pessoas e, consequentemente, com Deus.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s