A SOPA

dieta-da-sopa-receitas

Paulo Zifum

Muito obrigada. Você tem sido muito gentil –disse a cliente para sua costureira

Eu? Você é que tem sido muito amorosa –respondeu Lia, completando –Lembra quando fiquei doente e você me trouxe uma sopa? Nunca esquecerei. Quando olhei para os legumes cortados e cubinhos pequenos, fiquei emocionada. Minha vida agitada com casa, trabalho e filhos, não permitia fazer uma sopa assim. Sempre joguei cenouras e batatas quase inteiras, sempre correndo. Muito obrigado pelo carinho.

O costume de levar um prato de comida, de modo voluntário, é um gesto lindo. Diversos momentos, pessoas pobres ou ricas, precisam desse gesto. Comer algo preparado ou comprado por alguém que pensou em você é especial. Seja um panetone, uma fruta, um pedaço de torta, uma sopa ou um resto de bolo, é precioso. A pessoa aparece com aquela carinha de anjo e diz: lembrei-me de você! Não tem preço!

Você pode comprar, mandar fazer e buscar, porém, nada pode ser comparado com a beleza de receber um pedaço de amor. Depois que comemos, ficamos ali, pensando no momento em que alguém lembrou de nós, imaginamos o processo de fazer, embrulhar e trazer um pouco de comida. E fica mais cativante quando é uma coisa simples, como guardar um pedaço de pizza ou um bombom. A humanidade ainda tem lampejos de seu estado original. Como diria Calvino: “é a graça comum”.  A prática dessa bondade quebra o mundo duro e surpreende nossos corações carentes de valores que não sejam materiais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s