PAVIO QUE FUMEGA

Paulo Zifum

Ir a velórios nos faz pensar em coisas muito úteis.

Lembrei do famoso poema hebraico: “ainda que eu passe pelo vale da sombra da morte“. Nessa frase podemos extrair ricas matizes da fé num Deus pessoal. Uma das que aprecio é quando qualificamos o “vale da sombra” como a perda de uma pessoa amada. A morte de um ente, de um amigo, de uma figura que nos protege, pode configurar uma escuridão em nossa vida. Pessoas são como um lâmpada em nossa estrada. Podemos  notar isso quando militares do Rei Davi o proibiram de se expor à guerra ao dizerem: “Nunca mais sairás conosco à guerra, para que não apagues a lâmpada de Israel”. (2Sm.21.17).

É comum filhos, pais, cônjuges e amigos ficarem com grande temor por causa da escuridão que se faz quando um desses faróis se apagam. E a situação se agrava quando o candeeiro esmaece nas horas mais críticas.

Nesses momentos perguntamos o porquê Deus permite que isso aconteça. E Deus, em vez de responder, apenas desce conosco, em silêncio. E Ele mesmo não se importa com a escuridão porque as trevas e a luz são para ele a mesma coisa. Embora saiba que no vale não podemos ver nada, Ele nos faz sentir os “toques” de sua vara e seu cajado. É um desafio acreditar sem ver, confiar sem entender.

É totalmente razoável chorar sobre o “pavio que fumega”  e fazer perguntas inconformadas a Deus. Vários personagens da Bíblia fizeram sinceros dramas no momento em que luz apagou (Jacó, quando perdeu José. Davi, quando morriam os heróis). Temos necessidade de segurar nosso candeeiro, seja um filho, amigo, herói, pai ou mãe. Deus entende isso.

Há também uma precariedade na incerteza de quanto tempo dura uma lâmpada. Somos uma luz que Deus acende, mas podemos apagar a qualquer momento. O plano de iluminar um filho até que se case nem todos puderam realizar. Jesus disse: “Por mais um pouco de tempo a luz estará entre vocês. Andem enquanto vocês têm a luz” (Jo.12.35).

Pessoas podem partir e nos deixar num tremendo vale de escuridão. E só quem já desceu sabe o quanto é assustador. Nessas horas, o Salmo 23 salta acima de todas as poesias. E ele mesmo é o “toque” do cajado do Bom Pastor, que muitas vezes não acende outra luz, mas nos dá a segurança que nenhuma pessoa nessa vida poderia nos dar.

Anúncios

Um comentário sobre “PAVIO QUE FUMEGA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s