ATÉ A ORELHA

Paulo Zifum

Talvez passe despercebido para muitos leitores, mas, se você prestar atenção, o momento em que Jesus cura a orelha de um soldado é bem estranho. Não há nada de normal na atitude de Jesus (Evangelho de João, capítulo 18).

Pense comigo. Jesus vivia os últimos dias de seu ministério num colapso emocional porque estava sendo ameaçado por homens sob ingerência de Satanás. Ele sentia o hálito do mal. Sabia que Judas o trairia e que seus discípulos o abandonariam.  Depois da última e melancólica ceia, Jesus vai orar num jardim público chamado Getsêmani. De repente, um tumulto. Soldados surgem  no escuro e Judas aparece dando o famoso beijo-código para identificar Jesus naquela penumbra. Ao ameaçarem pegar a Jesus, surge nosso herói Pedro com sua espada para defender o Mestre. Ele atinge um soldado com um golpe na orelha. Um tumulto se faz. Porém, lendo o texto bíblico, um efeito slow motion parece surgir. Jesus ordenou a Pedro que abaixasse a arma e socorre o soldado, curando o ferimento causado por seu corajoso e aloprado discípulo.

Como? Como Jesus conseguiu enxergar e amar um inimigo numa hora dessas? Esse relato parece acréscimo editorial em busca de um tom sensacional para a trama. Porém, temos todo o contexto para afirmar que atitudes como essa era uma constante na vida do Mestre.

Nós? Deixaríamos as orelhas caírem. Por muito menos já achamos “bem feito” quando pessoas que nos odeiam sejam punidas.  Podemos até segurar nossos Pedros dizendo “tudo bem, não precisa brigar por mim”, mas, prestar atenção na dor do outro e esquecer-se de nós mesmos para curar um inimigo, isso sim, é demais para nós. Deixamos o nome do próximo arrastar na lama, caso esse tenha nos ameaçado. Dificilmente defendemos gente hostil.

Malco (nome daquele soldado) deve ter ficado colocando a mão nessa orelha pelo resto da vida. Deve ter repetido a cena em sua mente diversas vezes tentando entender que tipo de homem era Jesus.

Quem é suficiente para essas coisas?

OUÇA A CANÇÃO ABAIXO

 

Anúncios

2 comentários sobre “ATÉ A ORELHA

  1. Estava discutindo com uma amiga sobre o egoísmo das pessoas.
    Apesar de ser um pouco melhor q algumas pessoas, neste ponto, me pego eventualmente, julgando quem merece e quem não merece misericórdia, até digo, esse tem que apanhar pra aprender. Somos (sou) tão egoísta q esses dias, irei por um aluno indiplinado, com a justificativa que eu tinha um trabalho tão bom para desenvolver, e ele iria me atrapalhar, e dos disse ja orei por ele, mas não irei por ele, orei por mim.
    Jesus me ajude a salvar a orelha de um inimigo, quando tenho raiva, as vezes, bem as vezes, até do meu marido. 🙌

    • Amanda, somos iguais, eu um.pouco pior, pois literalmente tbem cortei orelhas.Mas Jesus nos ama!!! JESUS NOS AMA!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s