PRECISO de PAZ

Resultado de imagem para tenho paz

Paulo Zifum

Fico sem paz vez em quando. Deus me perdoe. Dentro em mim se forma uma mistura de pressa e medo. Tenho vontade de fazer tudo dar certo e isso é bom, mas quando tudo depende de mim sinto receio e, quando dependo dos outros, deixam-me inseguro.

Às vezes, viver é como subir num palco com dor de barriga. Às vezes, é como enfrentar uma guerra com pouca munição ou como ter uma enfermidade que não tem remédio.

Anúncios

DE FRENTE PRO CRIME

de frente

Paulo Zifum

Sexta-feira de manhã, uma multidão de gente desocupada queria sujar as mãos pedindo a morte de Jesus. Pilatos, político, não queria, mas pela pressão popular manda executar Jesus e depois lava as mãos. Mas, a água não limpa o coração. Naquela sexta, estavam todos diante do crime, mas, para a maioria, a cena era só mais uma execução de alguém que vacilou diante da milícia romana.

João Bosco, cantor brasileiro, fez um samba intitulado De frente pro crime no qual retrata de modo eficaz como podemos nos acostumar com o crime e continuar nossas vidas sem sentir culpa. Veja a letra:

Tá lá o corpo estendido no chão
Em vez de rosto, uma foto de um gol
Em vez de reza, uma praga de alguém
E um silêncio servindo de amém…
O bar mais perto depressa lotou
Malandro junto com trabalhador
Um homem subiu na mesa do bar
E fez discurso pra vereador…
Veio o camelô vender anel,
cordão, perfume barato
Baiana pra fazer pastel
e um bom churrasco de gato
Quatro horas da manhã
baixou o santo na porta-bandeira
E a moçada resolveu parar, e então…
Tá lá o corpo estendido no chão
Em vez de rosto, uma foto de um gol
Em vez de reza, uma praga de alguém
E um silêncio servindo de amém…
Sem pressa foi cada um pro seu lado
Pensando numa mulher ou no time
Olhei o corpo no chão e fechei
Minha janela de frente pro crime.

 

Penso em Pilatos e naquela multidão que participou da morte do Senhor. Penso nas pessoas hoje que, ao ouvirem que Jesus morreu na Cruz, nada sentem. Todos, mesmo sabendo que houve uma morte, “tá la o corpo estendido na Cruz”, continuam suas vidas.

Imagino que muitos pensaram que Jesus se envolveu em algum crime, ou em todos os crimes que o acusavam. E como todos sabem, uma vez acusado, a maioria já acha culpado. E a atitude de fechar a janela de frente pro crime foi natural naquela capital impenitente. Jerusalém tinha fama de passar por cima do amor ofertado. Cidade violenta.

Vivemos num mundo semelhante, que ignora o sagrado e despreza a Paixão. E o camelô consegue vender ovos de chocolate fazendo da Páscoa apenas “um corpo estendido no chão”. O feriado religioso enche a mesa de cerveja juntando malandro com trabalhador. E ninguém quer saber de tristeza.

Eu e você estamos então, de frente pro crime. E nesse momento Deus nos vê. Ele sabe quem considera importante a morte de seu Filho. Sabe quem sente a culpa ao ouvir que o corpo de Jesus foi brutalmente morto pelos pecados de todos nós.

Abro minha janela e vejo a Cruz. Paro tudo e penso em meus crimes: Ele morreu por mim!

 

EXISTE LIBERDADE!

Resultado de imagem para eu sei que o meu redentor vive

Paulo Zifum

Liberdade implica em desigualdade. Os que desejam igualdade devem saber sacrificar a liberdade. E assim, as escolhas seguem acirradas. Aquele que deseja justiça deve se submeter às leis criadas por pessoas. Mas, ao ressentir-se de alguma lei, a quem recorrerá por liberdade? Os que desejam liberdade devem abrir mão de algum conceito de igualdade, e, isso é perigoso para os termos humanos de justiça.

Os que desejam liberdade, igualdade e justiça são constantemente frustrados por ser impossível equilibrar esses conceitos. A História recente nos conta o quanto nós polarizamos as ditaduras do comunismo e capitalismo, tornando antagônicos os desejos de liberdade, igualdade e justiça.

A única saída para nossos movimentos pendulares entre o bem e o mau, é aceitarmos o conceito bíblico de que existe um soberano sobre o mundo, e que este, é totalmente livre para administrar tudo. Jó desenvolveu esse conceito na teoria e o consolidou na prática, logo depois de sofrer perdas incalculáveis e ter sua vida mutilada. Ele disse: “Deus deu, Deus tomou. Ele continua sendo bom e justo. Tenho recebido o bem de Deus, não receberia também o mal?” (Jó 1.21 -2.10).

Pessoas que tem um conceito correto de Deus, são as mais capacitadas para compreender a vida em suas contingências. Jó, segundo o texto de sua história, era um homem que lutava pela justiça e igualdade, que libertava pessoas da opressão, porém,  não se vitimizou quando foi atingido por uma “injustiça” e quando teve sua liberdade decepada. Para ele, Deus está acima de qualquer julgamento humano. Entendia que Deus é livre e isso implica que não tratará a todos de modo igualitário. Jó acreditava que permitir que uma pessoa boa sofra e dar prosperidade para um homem mau não torna Deus injusto.

Para ateus, esse raciocínio é um absurdo e escandalosamente escapista*. A defesa de um Deus pessoal e soberano é odiosa para intelectuais que voam “livres” de ideias teístas. Mas, a rejeição da fé em Deus cria um universo que relativiza a moral e, essa é a razão pela qual a humanidade é incapaz de ser livre, igualitária e justa (se alguém duvida disso, basta olhar as manchetes diárias ou estudar sobre as riquezas das nações).

Rejeitando ideias ardilosas e sofistas, a fé cristã defende que Deus é o único que pode sustentar nossa vida num mundo sem sentido. E, temos, não apenas em Jó, mas em vários testemunhos de cristãos hoje, a possibilidade de se viver acima do pensamento linear. Mesmo que tudo pareça desigual e injusto, é possível acessar uma outra liberdade. Jó a acessou a partir da verdade sobre Deus, segundo o que foi dito: “conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (Jo.8.32), e, talvez, seja por isso que o próprio Jó disse: “eu sei que meu Redentor vive, e que no fim se levantará para me defender e vindicar ainda que eu esteja no pó do meu túmulo” (Jó.19.25). Os cristãos sabem quem é a Verdade e o Redentor, no qual firmam a garantia de real liberdade (Rm.8.21).

*Nota: Os cristãos são escapistas e vivem numa religião onde Deus está sempre certo: Para os que pensam assim, é melhor mesmo, nadarem numa piscininha rasa com bóia. Porém, os mergulhadores acreditam que Jó considerava que tudo que temos e somos nos foi doado e, o doador tem o direito de tomar de volta. Essa é uma noção de justiça mais profunda, baseada num criador pessoal, e que faz sentido num mundo que não pode ser  sustentado pelo acaso.

agostinho

MAU-HUMOR final

Resultado de imagem para filho mais velho do filho pródigo

Paulo Zifum

Era uma vez um pai que tinha dois filhos. O mais novo era maluquinho e o mais velho era certinho. E aconteceu o que era de se esperar: o mais novo resolve sair de casa e pede ao pai uma boa grana. O pai, que amava muito, financiou o sonho do moleque, mesmo sabendo do risco, porque quem ama se arrisca. E assim, saiu o jovem para sua aventura, dizendo: “não se preocupem, voltarei rico e vocês ficarão orgulhosos de mim”.

Só que, o composto: dinheiro na mão e  tendência imoral unida às más companhias levou aquele filho à miséria. A notícia do estado dele correu pelas redes sociais: “filho de fulano, grande empresário, foi visto mendigando pela cidade”. A família ficou sabendo de tudo com tristeza.

Quando ele se viu desesperado, resolveu voltar para casa e pedir ao pai um emprego e uma pousada num dos alojamentos de funcionários. E para sua grande surpresa, ao voltar, o pai o recebeu com amor, fazendo uma grande festa de perdão.

O filho mais velho havia viajado para cuidar dos negócios e nada sabia do ocorrido. Quando chegou, tomou ciência: seu irmão não recebera nenhuma penitência. Pelo contrário, foi recebido como se não tivesse feito nada. Aquilo azedou seu coração. E tanto, que não quis entrar em casa. Ficou do lado de fora muito aborrrecido.

O pai, sabendo dessa revolta, foi explicar ao filho mais velho o que se passava em seu coração de pai, mas, descobriu o que se passava no coração daquele filho, que disse: “Não vejo justiça e não vejo coerência em fazer festa para alguém que não merece. Esperava punição. Eu tenho sido fiel, trabalho dobrado e o que recebo, um sanduíche de “muito obrigado”? Pai, o Senhor não festeja minha vida”.

(paráfrase de Lc.15)

Aplicação moral da história: Pessoas mau-humoradas não perdoam e são incapazes de se alegrar com o outro que se dá bem. Pessoas mau-humoradas são as mais carentes e fazem as coisas esperando reconhecimento. Pessoas mau-humoradas näo entram na festa do perdão, e, consequentemente, não vão para o Céu.

Esperança para os azedos: Se você tem sido uma pessoa mau-humorada, mas deseja abondonar esse estilo de vida (ou morte), então faça algo bem simples descrito em 1Jo.1.9, depois siga a orientação de Tg.5.17, e, pronto.

*Foto: Não sei quem é o autor da pintura. A tela capta como a pessoa mau-humorada fica enquanto o amor está acontecendo.

MAU-HUMOR parte 2

mau humor

Paulo Zifum

Uma pessoa mau-humorada pode tornar-se muito má, se não interromper esse sentimento negativo. O aviso que Deus deu a Caim (Gn.4.7) é dado todos os dias a milhares de pessoas: “esse desejo ruim é contra você! Lute contra ele!”

Apesar dos avisos, infelizmente, o “sol se põe” sobre o mau-humor, dorme e acorda no coração. Se uma pessoa não se livra rápido do sentimento mau, logo será definida por ele. Caim não demorou a ficar feio. E, num dia sombrio, com um plano terrível, veio a matar seu irmão Abel.

O mau-humor anuncia algo ruim, porque “um abismo chama outro abismo” (Sl.42.7). Caim não estava apenas triste, ele tinha inveja, raiva e revolta. Não segurou a porta, e, talvez não podia mais, porque alguns sentimentos, depois que crescem, dominam os nervos do sujeito.

Não se permita ficar com a testa franzida, semblante caído e cara amarrada. Mau-humor é pecado! É desvio ser mau-humorado. Atenda essa voz  de alerta!

*Foto: Yin e Yang são conceitos do taoismo que expõem a dualidade de tudo que existe no universo. No caso da imagem, há o “noturno e escuro” que toma predominância. Para o cristão, a imagem representa bem a natureza caída da raça adâmica. 

 

 

MAU-HUMOR parte 1

Resultado de imagem para mau humor

Paulo Zifum

Mau-humor é diferente de tristeza, porque todo mau-humor é triste, mas nem toda tristeza é mau-humorada. Situações e pessoas podem causar tristeza, porém o mau-humor vem de dentro, do coração (Mt.15.15-18).

Encontramos em Gênesis 4 a primeira menção da Bíblia sobre o mau-humor:

Adão teve relações com Eva, sua mulher, e ela engravidou e deu à luz Caim. Disse ela: “Com o auxílio do Senhor tive um filho homem”. Voltou a dar à luz, desta vez a Abel, irmão dele. Abel tornou-se pastor de ovelhas, e Caim, agricultor. Passado algum tempo, Caim trouxe do fruto da terra uma oferta ao Senhor. Abel, por sua vez, trouxe as partes gordas das primeiras crias do seu rebanho. O Senhor aceitou com agrado Abel e sua oferta, mas não aceitou Caim e sua oferta. Por isso Caim se enfureceu e o seu rosto se transtornou. O Senhor disse a Caim: “Por que você está furioso? Por que se transtornou o seu rosto? Se você fizer o bem, não será aceito? Mas se não o fizer, saiba que o pecado o ameaça à porta; ele deseja conquistá-lo, mas você deve dominá-lo”. Disse, porém, Caim a seu irmão Abel: “Vamos para o campo”. Quando estavam lá, Caim atacou seu irmão Abel e o matou. Então o Senhor perguntou a Caim: “Onde está seu irmão Abel? ” Respondeu ele: “Não sei; sou eu o responsável por meu irmão? “Disse o Senhor: “O que foi que você fez? Escute! Da terra o sangue do seu irmão está clamando” Gn.4.1-10

Após a queda de Adão, toda a raça passou a viver um conflito interior com o pecado, uma tendência negativa da natureza. E o mau-humor de Caim nos mostra como somos inclinados a esse odioso vício de reagir de modo egoísta.

Caim tinha o direito de ficar triste por ser rejeitado. “Nenhuma disciplina parece ser motivo de alegria no momento, mas sim de tristeza” (Hb,12.11). Ficamos tristes quando perdemos algo ou quando somos atingidos por uma crítica. O problema não está na tristeza. Uma pessoa pode estar triste e controlar seu semblante, mas o mau-humor cria uma carranca sombria.

Deus de modo gentil vai procurar Caim para ajuda-lo. É o que a maioria faz quando vê algum amuado. Porém, o texto nos revela que Deus estava preocupado com algo perigoso dentro de Caim.

As pessoas ficam mau-humoradas por diversas razões, mas parece que a maioria cai da armadilha da inveja. Caim foi incapaz de alegrar-se com o sucesso de Abel, deixando um vácuo. Ora, se você não celebra, dificilmente fica neutro, isento de sentimentos outros. Uma ruidosa comparação virá seguida de inveja secreta: “por que ele e eu não?” E esse pecado não vem de fora.

O mau-humor é residente. Há em nós uma tendência negativa, uma “gravidade” que nos puxa e é ela pode nos trair abrindo a porta para o mal. Quando Deus diz à Caim que “o pecado está à porta” estava avisando que algo pior e mais danoso poderia entrar na vida de Caim (Ef.4.27).

Todo mau-humor nos coloca num caminho rebelde, numa rota de separação de Deus e das pessoas. Caim nada responde quando Deus faz sua primeira abordagem de redenção. Ao que tudo indica, continuou aborrecido e mau-humorado até abrir a porta.