ATÉ O FIM

Resultado de imagem para tomada da normandia

Paulo Zifum

tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. Ele, pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e assentou-se à direita do trono de Deus. Pensem bem naquele que suportou tal oposição dos pecadores contra si mesmo, para que vocês não se cansem nem se desanimem. Na luta contra o pecado, vocês ainda não resistiram até o ponto de derramar o próprio sangue.” Hebreus 12.2-4

Até o fim. Não o fim da vida biológica, mas até as últimas consequências.

Um casamento (forma) pode durar até o velório, mas as promessas de amor e fidelidade (essência), não. Filhos abandonam a honra aos pais se ficarem muito ofendidos. Empenhar a palavra pode ser apenas um contrato a ser mantido enquanto houver vantagem. Nem todos estão dispostos ir até o fim, haja o que houver, custe o que custar.

Existem dois tipos de cristianismo: o de alto custo e o de baixo custo. Baixo custo é quando a fé nasce em ambiente favorável e sem grandes oposições. Alto é quando a conversão exige abrir mão de reputação, pessoas e segurança. O custo do discipulado se dá no “caminho rumo à Cruz”. Quanto mais perto da Cruz, mais alto o preço.

O cristianismo de baixo custo pode ser fiel. Um cristão que nunca foi perseguido pode dizer: “combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé” (2Tm.4.7), tendo vivido uma vida relativamente confortável. Um fim onde “será salvo como alguém que escapa através do fogo” (1Co.3.15).

O cristão que resolve levar sua fé às últimas consequências sofrerá, pois “todos os que desejam viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos” (2Tm.3.12). Os que se que expõem a pregar “quer ouçam quer deixem de ouvir” (Ez.2.5) e “quer seja oportuno, quer não” (2Tm.4.2), serão desafiados a se calarem.

Quando disseram a Pedro que ele não podia continuar, respondeu: “Julguem os senhores mesmos se é justo aos olhos de Deus obedecer aos senhores e não a Deus. Pois não podemos deixar de falar do que vimos e ouvimos” (At.4.19-20).

A Bíblia conta muitas histórias de pessoas que pagaram alto preço para seguirem até o fim. E para cada cristão Deus tem um curso de vida. Ele escolhe alguns e diz: “este é meu instrumento escolhido para levar o meu nome perante os gentios e seus reis, e perante o povo de Israel. Mostrarei a ele o quanto deve sofrer pelo meu nome” (At.9.15-16).

Na compreensão monergista, “é Deus quem efetua em vocês tanto o querer quanto o realizar, de acordo com a boa vontade dele” (Fp.2.13). Ele tece a trama das “cores alegres e tristes” e também garante o sucesso final do tapete.

Então, qual é a minha e sua participação? Podemos descansar no “piloto automático” da vocação?

A resposta está em compreender que “nos foi dado o privilégio de, não apenas crer em Cristo, mas também de sofrer por ele” (Fp.1.29). A palavra chave é “privilégio”. Ora, nem todos desfrutam tudo que lhes é oferecido em Cristo. Milhares de cristãos sorvem as alegrias do perdão, as delícias da comunhão, as maravilhas das revelações e doces esperanças da vida vindoura, sem, contudo conhecer os privilégios da identificação plena com Cristo.

Paulo disse: “Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos para ganhar ainda mais. E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei. Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei. Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns. E eu faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele.” (1co.9.19-23).

Logo, a expressão “até o fim” relacionada ao privilégio de identificar-se com o Senhor em seus sofrimentos, não ser pode usada por todos. A Graça levará a todos até o fim, porém o desfrute pleno do privilégio, nem todos chegarão. E lá, no Céu, descobriremos como desperdiçamos nossa salvação apenas chapinhando os dedos sem ir ao fundo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s