FUJO DE DEUS E VOLTO

Querido Senhor, preferes a mim e eu fujo de ti como se fosses indesejado. Perdoa-me. Não és para mim senão o maior tesouro. Aborreço-me porque desprezo a riqueza que tenho, e não compreendo. Sou tardio, ainda pior, sou néscio por desdenhar tua companhia. Mas, agora recupero-me no fim desse dia, para não te ver tão triste. És tão fácil de agradar, e tão bondoso no olhar. Sinto que aceitas as desculpas que empenho e não tratas teu servo com desconfiança. Aquieto-me.
Estive preocupado com diversas coisas porque longe de ti andei. E por isso acometeu-me um esquecimento de quem és, e caí na loucura de achar que tudo depende de mim. E nesse estado passei a cuidar de tudo um pouco e por fim, de nada. Escapa-me do aprisco os bons  pensamentos de orar e confiar, de ler tua Santa Palavra e calar-me em solitude. Que desventura perder-me de ti e colocar tudo a perder. Ainda bem que tua vara trouxe-me de volta. Aqui estou! Deixa-me contar meus medos e desejos para que, aqueles desfaças e esses purifiques. Agora, Senhor, tenho centenas de pessoas que dependem de mim, e aguardam do encontro comigo, estarem contigo. Como farei? Disfarçar-me de cheio não posso, despedi-las vazias não devo. Ó Senhor! São cinco pães e dois peixes e sinto-me impotente. Como é triste ter fome de Deus e não achar quem sacie! Ouço tua voz falar-me: dê você de comer a eles! Ó Senhor! São apenas cinco sermões e dois testemunhos antigos. Ajuda-me! Faz teu milagre às margens desse Rio Preto, conforme vi um dia em sonho, e realiza o teu que é melhor que o meu, quando eu estiver pronto e perto de ti. Termino essa pequena oração não ousando olhar-te, mas confio, por teu amado Filho, que hás de me ser propício.

Anúncios

PORQUE VOLTAMOS ATRÁS

Resultado de imagem para só no prejuízo

Paulo Zifum

Volto atrás em minha boa intenção com as pessoas porque o sentimento “era pouco e se acabou”. Descobri que muito de minha “bondade” é, na verdade, retribuição. Tenho inclinação em recompensar quem me compensa.

Como cristão, sinto-me um nada pelo fato de seguir indicadores desse mercado de vantagens, onde sou impulsionado a investir onde possa ter maior retorno. Sendo assim, porque eu deveria gastar recursos emocionais para consertar as coisas?

Sem ânimo, acabamos  fazendo tudo errado ou deixando de fazer o certo.

Esse tipo de ordem interna mexe muito com nossa disposição de manter o casamento, conciliar laços familiares, pedir perdão a amigos ofendidos e sofrer danos em favor do outro.

Jesus disse: “Portanto, se você estiver apresentando sua oferta diante do altar e ali se lembrar de que seu irmão tem algo contra você, deixe sua oferta ali, diante do altar, e vá primeiro reconciliar-se com seu irmão; depois volte e apresente sua oferta” (Mt.5:23-24).

Note que não importa especificar quem está certo ou quem está errado, mas o que interessa é definir a base da relação: Eu-Deus-Próximo. A “oferta” mencionada por Jesus se refere à procura do perdão e favor divino. Jesus alerta que não faz sentido querer estar bem com Deus e não desejar consertar as coisas com as pessoas. Se elas me ofenderam e meu coração quer desistir delas, devo deixar no altar a oferta. Se eu as decepcionei, não devo insistir contra a consciência, devo deixar no altar minha oferta e só voltar quando as coisas estiverem acertadas no que depender de mim.

Quando me tornei cristão me comprometi a amar a todos. Isso, envolve manter minhas promessas de ser verdadeiro e fiel, mesmo que elas deixem de ser. O problema é que descubro com frequência que algumas relações minhas estão construídas sobre a areia da retribuição e não sobre a rocha da Graça. Por isso está escrito que o amor se esfriará de quase todos (Mt.24.12). Hoje em dia as pessoas querem ser felizes e por isso estão inclinadas a “trocar de fornecedor” se o outro não for capaz de encher seu “tanquinho emocional”.

Eu não quero voltar atrás! Quero manter minha palavra, mesmo quando sair prejudicado (Sl.15.4). Por que? Porque Deus não volta atrás em sua boa palavra de amor para comigo e não me trata como eu mereço, mas insiste com sua misericórdia.

TEMPO DE QUALIDADE

Resultado de imagem para trabalhos inuteis

Paulo Zifum

Caminhando Jesus e os seus discípulos, chegaram a um povoado, onde certa mulher chamada Marta o recebeu em sua casa. Maria, sua irmã, ficou sentada aos pés do Senhor, ouvindo-lhe a palavra. Marta, porém, estava ocupada com muito serviço. E, aproximando-se dele, perguntou: “Senhor, não te importas que minha irmã tenha me deixado sozinha com o serviço? Dize-lhe que me ajude! “Respondeu o Senhor: “Marta! Marta! Você está preocupada e inquieta com muitas coisas; todavia apenas uma é necessária. Maria escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada“. Lc.10.38-42

Se você prestou atenção na leitura acima, pode chegar à conclusão de que devemos reservar tempo para o aprendizado e evitar atividades desnecessárias*.

Se você é perspicaz, deve ter notado que o Senhor está disposto a defender a todos que querem crescer em sabedoria. As pessoas que querem aprender devem ser estimuladas.

Se foi capaz de notar, então percebeu que Marta usou um argumento falho ao se vitimizar. Porém, o Senhor de modo elegante a remeteu para a tão necessária autocrítica: será que excedi na quantidade de tarefas?

Ao captar a mensagem do escritor, você pode concluir que deve: 1-Reservar tempo para aprender, estudar. 2-Defender o direito tão ameaçado do aprendizado. 3-Vigiar para não arrastar pessoas a serem consumidas por atividades inúteis que as prive de sua paz e solitude. O mundo está cheio de burocracias e tarefas sem significado humano, então, antes de cobrar tarefas, verifique se o que está fazendo faz real sentido e se tem valor de fato.

*O dualismo “pessoas x coisas” é normalmente destacado em Lc.10.38 indicando um antagonismo, mas devemos manter a sobriedade de que muitos sacrifícios feitos por amor às pessoas podem, temporariamente, nos privar delas. Marta poderia apenas ficar feliz por proporcionar à sua irmã Maria esse tempo de qualidade com o Senhor.

O CÉU PARA MIM

WhatsApp Image 2019-03-27 at 10.11.48

Paulo Zifum

Quando penso no Céu, esse lugar para o qual vou sem mérito próprio, penso no lugar e suas qualidades, onde enfim, realizarei meu sonho de viver no sublime do que é bom, belo e verdadeiro, coisa que me é negada nesse mundo de falsificações, feiuras e maldades.

Mas, o que penso mesmo quando o Céu desejo, não é o lugar de paz e sossego. Anseio pelas pessoas! Elas é que fazem a eternidade ser um Céu pra mim.

Imagine poder estar com Jesus pessoalmente!

E quando penso estar com meu pai e minha mãe, assim, sentado contando histórias de amor, podendo olhar meus irmãos ao redor… é o Céu. Estar com meus filhos e netos para repetir todos os dias uma nova aventura. Encontrar meus amigos antigos e rir de memórias que são somente nossas. E fazer milhões de amigos com agendas de encontros para a eternidade.

Por isso, digo, que há muito deixei de desejar o simplesmente estar lá. Não é o lugar que é Céu e sim essa doce certeza de que estarei com ela. E isso será bom, por toda eternidade. 

 

ORAÇÃO: INTERFERÊNCIA REAL

Related image

Paulo Zifum

Seria a oração uma interferência criativa do próprio Criador por meio de suas criaturas?

Somos imagem e semelhança de Deus. Quando fazemos pedidos de oração estamos interagindo, sugerindo ideias nossas à trama da História. Como somos seres únicos, é possível pensar que algum pedido seja surpreendente e mude o curso das coisas.

Parece-nos, na Bíblia, que Deus decidiu agir na Terra de modo mediado. E diversos casos  como de Abraão, Moisés, Elias, Eliseu e Ezequias mostram que a expressão “mediação” pode indicar a possibilidade de adição e novidades no Livro do Salmo 139.16. Embora esse Livro já contenha todo o enredo da história do personagem, tudo indica na Bíblia, que existe a grande possibilidade da “imagem e semelhança”, por meio da oração, improvisar e trazer “à existência coisas que não existem” (Rm.4.17).  Esse fenômeno é peculiar dos filhos mais chegados de Deus.

As orações normalmente seguem o fluxo da busca por conhecimento, segurança e compaixão. Porém, alguns pedidos singulares causam admiração tanto pela sabedoria como pela ousadia com que são feitos (Ex.32; 1Rs.3; Lc.7). A oração carrega mistérios que a maioria desconhece. Imagine as mudanças  históricas causadas pelas orações do profeta  Daniel? Em sua batalha espiritual ele nos revelou uma atmosfera incrível (Dn.10)!

Quando você se ajoelha para orar, acredita mesmo que está diante de uma possibilidade* de “fazer história”?

*É possível, se o assunto não estiver fechado pelo Escritor. Deus nos convida a interagir, mas não permite mudanças em seus decretos. Veja alguns exemplos abaixo:

http://biblia.com.br/joaoferreiraalmeidarevistaatualizada/jeremias/jr-capitulo-15/

http://biblia.com.br/joaoferreiraalmeidarevistaatualizada/2-corintios/2co-capitulo-12/

O AMOR TEM PRAZO

Image result for prazo de validade

Paulo Zifum

Não! Você não tem todo tempo do mundo nessa Terra que não pára. Não poderá amar a seus filhos pequenos senão agora antes que esse chão fofo se feche. Amanhã pode ser que as coisas não estejam amáveis, e a semente dócil terá de ser um aguilhão. O tempo é agora!

Faça amigos no tempo em que o clima é favorável. E qual esse senão na adversidade? Sua visita na enfermidade ou no fracasso é o tempo certo, e não depois. Viaje até lá antes que seja tarde, porque o amor tem prazo. Valorize seus amigos. Demonstre de forma nobre.

Os pobres? Esses andam espalhados por todo lado, dando a todos oportunidade de conceder a Deus algo que o interesse. Porque Deus, do resto, nada necessita. E depois que o carente supera sua falta, qual a utilidade de sua vida, bens e tempo?

Deus me livre de perder os prazos mais importantes da vida: amar na data certa!

CASA EM DESORDEM

Resultado de imagem para poe em ordem sua casa

Paulo Zifum

Dois jovens entram numa escola em Suzano (SP)  e matam oito pessoas. Depois de cometerem os crimes, Guilherme, de 17 anos, executa o comparsa Luiz, de 25, e depois tira a própria vida.

Os assassinos tinham família, tinham um lar, mas as coisas não estavam em ordem. Os segredos que guardavam e o plano que haviam feito revelam que a família não tinha acesso a essa atmosfera sombria na qual estavam envolvidos.

A Bíblia nos conta diversos casos nos quais os pais ignoravam os planos malignos de seus filhos. O ódio de Suzano apareceu ineditamente  em Caim, que foi o primeiro a acalentar um homicídio (Gn.4). Depois, podemos citar o massacre em Siquém, planejado secretamente pelos filhos de Jacó (Gn.34). Depois Absalão conspira e mata seu meio irmão (2Sm.13).

Com exceção de Caim, do qual não conhecemos o contexto familiar, a família de Jacó e de Davi tinha uma evidente negligência na comunicação e, por consequência, os laços afetivos eram frágeis e pouco fraternais.

Uma família em desordem pode suscitar pesadelos sociais, como narra o livro de Reis no caso de Manassés. Seu pai, o rei Ezequias, foi um homem bom e reto, porém negligenciou a educação do pequeno príncipe. Após assumir o trono do pai, o jovem se tornou um rei terrível, desfez tudo o que o pai construiu e, em sua loucura, queimou o próprio filho em oferenda aos deuses pagãos. Manassés parecia um revoltado cheio de ódio.

Porém, antes de Manassés nascer, Deus enviou o profeta Isaías com uma mensagem a Ezequias: “ponha em ordem a sua casa!” (Is.38). Entretanto, o monarca não prestou atenção no aviso de modo completo. Quando Ezequias morreu, Manassés tinha apenas 12 anos e estava totalmente despreparado. A casa de Ezequias estava em desordem e o país se tornou um caos.

Não existem famílias perfeitas. Há sempre uma bagunça aqui e ali. O pecado, presente em todas as famílias, sempre há de desarrumar relacionamentos e frustrar expectativas. Ninguém consegue dar conta de tudo. Não existe casamento perfeito. Sempre há algo para se arrumar. Não há educação de filhos que não tenha defeitos. Algumas coisas deixam a desejar e Suzano nos lembra dos efeitos colaterais de lares em desordem.

Por isso, nos vem a Palavra do Senhor: “ponha em ordem a sua casa”. Deus levanta profetas para nos exortar, nos alertar de coisas que jamais, por nós mesmos, perceberíamos. E não temos todo o tempo do mundo para acertar as coisas pois podemos morrer a qualquer momento sem aviso. Necessitamos colocar a vida em ordem.

E o que é um LAR EM ORDEM para o cristão?

A referência de ordem nos é dada por meio da Palavra do Senhor que nos instrui: o marido pastoreia seu lar, orando, ensinando à família e guiando ao Culto (Jó.1.5, 1Pe.37). A esposa sabiamente o auxilia, sendo-lhe submissa (Pv.14.1, 1Pe.3.1-6). O trato em casa é sem gritos ou palavras pesadas e cheio de gentileza e afeto. Às vezes,  há briga, mas depois acerta, pede perdão. O lar em ordem não é perfeito, mas perdoado. Dentro de casa se falam coisas boas e evita-se falar da vida dos outros, procurando manter a honra e os bons costumes (1Pe.3.8, Ef.4.25-32). Os filhos são disciplinados e respeitam os mais velhos (Lv.19.32). O lar é um lugar de paz e tão forte como um castelo, é um refúgio não apenas para a família, mas para os de fora com o seu bom testemunho. A família em ordem enfrenta as dificuldades em oração e, mesmo em meios às crises, procura ser fiel. Reserva o dízimo e as ofertas como algo sagrado e procura ajudar os mais pobres.

Isso parece impossível?

Muitos lares de hoje se encontram fora dessa ordem e até impossibilitados de alcançá-la devido à anatomia da família. Por isso, em face às enfermidades do lar e do casamento, somos estimulados a orar pedindo socorro a Deus.

Confia no Senhor de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento. Reconhece-o em todos os teus caminhos e ele endireitará as tuas veredas” – Pv.3.5-6.

Não somos capazes de colocar algumas coisas em ordem. Falta-nos sabedoria, e não sabemos por onde começar. Às vezes, falta até saúde emocional para iniciar uma reforma em casa, uma mudança de costumes errados. Por isso a oração é tão importante.